Gentileza – Uma taça de vinho resolveu

Assim como gentileza gera gentileza, a hostilidade gera hostilidade.

Em um treinamento recente, em uma empresa, encontrei alguns ex-alunos que ali trabalhavam e resolvemos almoçar juntos. Discutíamos sobre o comportamento dos profissionais e a frase acima foi citada por um deles. A conversa seguiu por este tema quando outro contou uma história, que não sei se é verdadeira, mas serve como exemplo de como interromper uma situação que se apresenta adversa.

Um grupo de profissionais comemorava em um salão os 30 anos de formatura e a alegria pelo reencontro dos velhos amigos era muito grande o que tornava o ambiente bastante agradável.

Um apelido era lembrado, uma paquera comentada, situações embaraçosas com professores eram citadas e o encontro transcorria em um clima de muitas brincadeiras, quando um desconhecido armado entra no ambiente exigindo dinheiro. Era um assalto e o ladrão não queria joias ou celulares que o pudessem incriminar, apenas dinheiro em espécie.

O grande problema era que ninguém tinha dinheiro, apenas cartões, e o bandido estava cada vez mais nervoso o que era demonstrado em como agitava sua arma.

Alguns tentavam dissuadir o homem com frases do tipo: pense em sua família, eles não aprovariam esta atitude ou, você não tem o direito de estragar a nossa festa, saia daqui e não o denunciaremos á polícia. Tudo isto irritava cada vez mais o intruso.
Quando a situação parecia chegar em um nível insuportável, uma das senhoras presentes teve uma atitude que mudou todo o clima: puxou uma cadeira e convidou o estranho para uma taça de vinho e se quisesse poderia também acompanha-los no jantar a fim de comemorar com eles a alegria daquela data.

O homem não sentou, mas bebeu o vinho, comeu algo que lhe fora oferecido e virando-se para a senhora que o convidara disse: Acho que vim para o local errado, desculpem-me.

Saiu como entrara, não sem antes abraçar duas ou três pessoas que estavam próximas.

Repito que não atestei a veracidade desta história, mas ela serve muito bem para exemplificar que quando quebramos um script o sucesso é garantido. Quando interagimos com as pessoas é natural espelha-los, fazendo com que gentileza gere gentileza e hostilidade gere hostilidade, assim como bondade gere bondade e alegria gere alegria. Quebrar esta reação de espelhamento é um comportamento não complementar.

Quando alguém agride, queremos agredir. Quando ataca queremos atacar e assim por diante. Esta autoproteção é instintiva e quebrar o script requer uma inteligência emocional desenvolvida.

Pelo desenvolvimento da Inteligência Emocional aumentamos a consciência que temos de nós mesmos e com isto aprimoramos o autocontrole, o que nos leva a optar por responder de forma não reativa e não complementar.

Este tipo de comportamento desarma qualquer situação embaraçosa ou de conflito e pode ser utilizada em nossa vida pessoal e profissional.

Se a história aqui contada é ou não verdadeira, eu realmente não sei, mas sei que é verdadeira a afirmação: A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira. (Bíblia, Provérbios 15)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *