Os 5 primeiros passos para se tornar um Líder

Liderança é uma arte.
Na arte de liderar o instrumento do artista é o próprio líder, portanto desenvolver a liderança é dominar a si próprio em um processo de autodesenvolvimento. *
A Inteligência Emocional é considerada a porta de entrada em qualquer processo de desenvolvimento da Liderança, tendo um papel bastante significativo não só em seu aprimoramento, mas também em sua perenidade.
O Brasil precisa de líderes, tanto no mundo corporativo, quanto em todos os segmentos da sociedade, principalmente líderes comprometidos com o bem comum e que tenham a sabedoria de se colocarem a serviço dos outros sem buscar o próprio benefício. A carência de líderes nas empresas é percebida pelo reconhecimento dado àqueles que a exercem na forma funcional e comportamental.
Considerando que ser líder é saber influenciar para atingir objetivos, é fundamental que quem deseja chegar a esta condição, no trabalho, em casa ou na comunidade deve necessariamente, desenvolver a sua Inteligência Emocional para que possa exercer a sua função através de seus liderados, conduzindo-os e indicando o caminho a ser seguido, sem deixar que as suas próprias emoções interfiram negativamente em seu desempenho ou estabeleça conflitos com as emoções de cada membro da equipe.
Se o desenvolvimento da Inteligência Emocional é o ponto de partida para se chegar a liderança, os 5 passos aqui apresentados são os primeiros a serem trilhados:

1. Faça um diário de sentimentos
A finalidade deste diário é criar o hábito de estar com a atenção voltada às suas emoções naquele momento. Manter um diário de emoções por uma semana, por exemplo, fará com que ao final dela você as identificará naturalmente.
Reconhecer as suas próprias emoções é o ponto de partida para o desenvolvimento da inteligência emocional.
Se você pretende praticar, sugiro que coloque uma folha de papel em sua mesa de trabalho e registre as várias emoções que perceber ao longo do dia.
Um dos meus coachees programou seu celular para dar um alerta cada 90 minutos e quando isto ocorria, anotava a emoção que estava sentindo naquele momento. Caso sentisse uma nova emoção sem o uso do estimulo do celular, além de anota-la, também registrava o que havia ocorrido momentos antes – uma conversa com um colega, com o chefe, uma notícia especial, etc.

2. Faça uma avaliação de seus registros
Depois de manter o diário de emoções durante uma semana, certamente já terá sido criado o hábito de identificar as próprias emoções e agora, o importante é analisar os resultados e perceber as tendências de comportamento, isto é, em que horários do dia suas emoções têm características semelhantes ou em que circunstancias determinadas emoções ocorrem. Muitas pessoas ficam irritadiças pela manhã, outras ficam sonolentas, mas produzem melhor no período da tarde, ou mesmo percebem que são mais calmos em determinado período do dia.
O importante é que você conheça o seu comportamento padrão para ter condições de passar para o próximo passo.

3. Trace uma meta
Emoção é informação
Observando a análise que fez de seu diário decida o que gostaria de enfrentar ou fazer, caso julgue necessário, algum tipo de modificação de comportamento ou forma de agir. Algumas pessoas, após esta análise, percebem que necessitam de um pequeno intervalo no trabalho de tempos em tempos, outras que necessitam um período diário para relaxamento ou meditação.
O importante é que após a análise, seja traçada uma meta para atingir os objetivos, meta esta que deve contemplar os estágios intermediários para se chegar ao objetivo, além de definir os prazos para a execução.

4. Tenha um amigo ou mentor
Aprimorar a Inteligência Emocional não é um trabalho tão simples para que seja feito apenas pela pessoa interessada. Costumo sugerir que tenha um amigo de confiança ou um mentor para auxiliar nesta atividade.
Este amigo deverá ser uma pessoa confidente e que tenha interesse genuíno em auxiliar no desenvolvimento emocional do outro. O simples ato de verbalizar com uma outra pessoa as suas descobertas auxilia no desenvolvimento pessoal.
Por experiência, creio que não seja difícil encontrar este amigo, principalmente quando existe a disposição de um auxiliar o outro no plano de aprimoramento da Inteligência Emocional.

5. Revise seu plano
Periodicamente revise se o plano traçado está dando resultados positivos. Em caso negativo, reinicie o processo, faça correções de rumo e aprimore os métodos empregados.

Chegamos a um nível no comportamento profissional (e pessoal) em que uma Inteligência Emocional é tão ou mais importante na história da vida de uma pessoa que é mais significativa do que a formação técnica ou conhecimentos específicos.

* Kouzes e Posner – Desafio da Liderança

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *